quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Prisioneiro de Mim



Texto: PRISIONEIRO DE MIM
Autor: Sidney Santborg

Eu errei, mas foi tentando acertar.
Eu me feri, mas foi tentando me curar...
Prisioneiro de mim buscando achar.
Uma saída que pudesse me libertar.

Quantas vezes eu fiquei sem saber para aonde ir.
O caminho que escolhi só levou a me iludir...
Prisioneiro de mim tentando fugir.
Querendo respostas e aflito por não as conseguir.

Mesmo sem destino e sem nenhuma direção.
Mais uma vez estou ali em meio à multidão.
Prisioneiro de mim almejando a solução.
Das angústias que maltratam esse meu coração.

Naturalmente isso nunca vai ter fim.
É um círculo vicioso que existe só em mim...
Prisioneiro de mim querendo o fim.
Da guerra de mundos que me faz ficar assim.

Parece algo que vai além do entendimento.
Isso às vezes é uma coisa de momento...
Prisioneiro de mim fugindo do tormento.
Da dor na alma que me traz um lamento.

Se estou certo ou errado, já não quero mais saber
Se alguém pensa diferente ou se tem algo a dizer.
Eu quero a liberdade em mim para poder viver.
Sem temer a expectativa de que algo vai acontecer.

Prisioneiro de mim buscando encontrar...
As respostas para o meu questionar.
Prisioneiro de mim tentando achar...
A chave que da prisão vai me libertar.
Prisioneiro de mim querendo visualizar.
A porta de saída que vai me salvar...

Imagem retirada do blog: thiagoocomh.blogspot.com

4 comentários:

  1. Esse laço, essa corrente que prende nós em nós mesmos. Fuga frustrada, limite entre a alma e a pele. O corpo e o espaço que este ocupa no mundo, cheio de coisas ali dentro.
    O corpo conta muita história. Se não dá para fugir dele, de nós mesmos, acorrentados sejamos afim de compreender e melhorar a cada dia mais. Trabalho de acertos e erros para toda a vida.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa síntese Jair Gabardo, acho que realmente nossa vida é um constante aprendizado... Seja nas fugas, nos choros, nas frustrações, nas lamentações e nas limitações, esse acorrentamento deve ser encarado como meio de autoconhecimento para se achar a saída desejada e consequentemente viver melhor.

      Excluir
  2. Bravo! Esse é dos que merecem todos os elogios. Há consciência da "Da guerra de mundos que me faz ficar assim" que existe dentro de nós mesmos. Li um livro bem esclarecedor sobre os arquétipos masculinos escrito por uma psicologa americana. Chama-se Os Deuses e o homem, de Jean Bolen. Esse livro retrata justo essa guerra que existe dentro de alguns homens, ela descreve com bastante propriedade. Leitura recomendada, abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel Vidigal, essa guerra de mundos em nós mesmos é fruto das indecisões existentes e do confronto com o Céu e o Inferno interior moldando as atitudes e levando a um modelo preestabelecido que impede o autoconhecimento e a felicidade.

      Obrigado pela dica do livro amigo. ;)

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

EU APOIO!

Vídeos referentes a Sidney Santborg

Loading...