sábado, 12 de outubro de 2013

Primavera Existencial













Texto: PRIMAVERA EXISTENCIAL
Autor: Sidney Santborg

O telefone tocou e eu não pude ouvir... Estava distante.
Somente percebi tal ligação quando o peguei na mão...
Mas era um número desconhecido, não me disse nada.
Então, novamente o deixei jogado de lado, não era você...
Por que somente eu tenho de reconhecer meu erro?
Por que somente eu posso estar errado neste nosso ato?
Ao fechar das cortinas tudo é tão diferente neste teatro.
Não sei se essa nossa vida é uma obra verídica ou ficção.
Esperei por alguns minutos a luz voltar a acender no display...
E nada, não aconteceu nada... Minutos e horas se passaram.
Tudo continuava na mesma... Dei-me conta de que não ia ligar.
Novamente me afastei, buscando me distrair, mas não adiantou.
Nos meus pensamentos você estava e o som do celular tocava...
Corri para atender, mas nenhuma ligação foi registrada.
Percebi que era apenas uma peça do meu inconsciente.
Causando mais um dano ao coração e um arder aos olhos...
Era uma brincadeira sem graça continuar a jogar dessa forma.
Por isso mais uma vez resolvi engolir a seco meu orgulho.
Procurei seu número nas últimas ligações e apertei o ligar...
Uma, duas, três, quatro, cinco, seis chamadas. Caiu na caixa postal!
Senti uma angústia dentro de mim, senti um choro retido.
Senti uma aflição e um sentimento malresolvido...
Aquele dia não passava... E até o vento doía na minha alma.
Até o sorriso rasgava minha pele ressecada pela decepção.
A lágrima enfim rolava pelo meu rosto e seguia ao chão.
Algumas delas morreram na minha boca e senti o gosto...
Percebi que o sabor não era o característico, era amargo.
Porque levava nela todo o sofrimento que estava sentindo.
Porque transportava a raiva e o desgosto interno deixado.
Sentia tristeza, mas sabia que aquilo era necessário...
Para me reconstituir; para recompor minhas estruturas.
Para voltar a sentir as células novamente se formando.
Depois disso tudo, eu tomei uma decisão, limpei o rosto...
O gosto amargo das lágrimas foi escarrado e cuspido.
Peguei o celular e apaguei tudo que lembrava você.
Excluí seu número da agenda e respirei fundo...
Acabou... Quem não quer agora sou eu, chega!
Estou renovado, transformado, curado desse mal!
E pronto para dar os primeiros passos em nova direção.
Andar pelos jardins de flores da primavera existencial,
Sentir novos perfumes que irão despertar um novo amor.

Imagem: http://alemmarpeixevoador.blogspot.com.br

4 comentários:

  1. Olá Sidney,partir para um novo amor,que não
    hajam decepções e que sejam correspondidos
    mutuamente.
    Lindo texto.

    bjs amigo
    Carmen Lúcia-mamymilu.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Carmem! Sim, temos sempre que buscar levantar das quedas e partir para um novo recomeço e um novo amor. Bjs!

      Excluir
  2. Oi Sidney!

    Muitas vezes passamos por momentos de decepção, mas eles nos fazem acordar para um novo mundo repleto de emoções nunca antes sentidas, nos fortalece e nos encoraja a buscar a felicidade mais uma vez.
    Um brinde ao novo amor!!!

    Bjs... ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :) Falou tudo Bel!!! A cada decepção, um novo aprendizado... A vida é a sim, isso realmente vai fortalecendo, para quando encontrarmos o novo amor ele seja brindado com os melhores vinhos. ;) Bjs!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

EU APOIO!

Vídeos referentes a Sidney Santborg

Loading...